Jean Paul defende manutenção do controle da TAG pela Petrobras

Potiguar participou, nesta quarta-feira, 8, de audiência na Comissão de Desenvolvimento Regional e Turismo, que debateu a venda da Transportadora Associada de Gás (TAG) pela Petrobrás

O senador Jean Paul Prates (PT-RN) criticou a decisão do governo de transferir para a iniciativa privada o controle acionário da Transportadora Associada de Gás (TAG). Na prática, o governo pretende se desfazer de uma rede de gasodutos de 770 km que interconectam várias regiões produtoras de petróleo, refinarias, terminais e pontos de distribuição no Nordeste. “Querem quebrar a hegemonia da Petrobras no mercado de gasoduto no país. Esse serviço é essencial para o Brasil e para o setor industrial”, advertiu.

A justificativa do governo de que o mercado de gás não cresce por conta do monopólio da Petrobras é rechaçada pelo senador Jean Paul. Ele esclareceu que o problema é a falta de gás no mercado, não a distribuição. “Desde 2013 o mercado está preocupado com a falta de gás, que impede a massificação da distribuição”, destacou. Ele acrescentou que o Pré-Sal proporcionará um salto na oferta de gás no Brasil.

47803991391_7291676419_k

As estimativas apontam que a entrada do gás do Pré-Sal, ainda em 2019, permitirá uma arrecadação de R$ 26 milhões. Em 2020, este valor subirá para R$ 50 milhões e, em 2024, R$ 100 milhões. “A partir deste ano, teremos gás novo, que certamente será ofertado primeiramente ao mercado nacional”, observou.

Jean Paul também defendeu que a Agência Nacional do Petróleo (ANP) ponha em prática as regras do monopólio natural (aquele no qual se é mais eficiente com um único operador do que com vários). “A regulamentação dos monopólios naturais é feita pela própria ANP. Ignorar a situação dos monopólios naturais é passar um atestado de incompetência da ANP”, explicou. “Se você não controlar um monopólio natural quando a empresa é sua, imagina controlar outra empresa que não seja controlada por você”, completou.