Senado vai discutir o desenvolvimento da Caatinga em audiências públicas

Iniciativa de Jean Paul Prates, ciclo de debates é aprovado pela Comissão de Meio Ambiente e recebe elogios do presidente do colegiado

A Comissão de Meio Ambiente do Senado aprovou, nesta quinta-feira, 28, a realização de um ciclo de debates para discutir a Política de Desenvolvimento Sustentável da Caatinga. A proposta foi apresentada pelo senador Jean Paul Prates (PT-RN). “Esse é um projeto muito importante para o país, principalmente por defender a preservação do bioma da caatinga, além de trabalhar pela erradicação da pobreza no Brasil”, disse.

O parlamentar é relator do Projeto de Lei do Senado 222/2016, de autoria do ex-senador Garibaldi Alves Filho, que trata da preservação e da redução das desigualdades sociais no território da caatinga, além de promover o desenvolvimento sustentável.

A iniciativa do senador foi elogiada pelo presidente da comissão, senador Fabiano Contarato (REDE-ES). “Quero publicamente manifestar minha honra e gratidão de estar tendo contato com Vossa Excelência”, disse.  “Fico muito feliz quando vejo pessoas, na qualidade do senhor, comprometidas na redução das desigualdades sociais no país”, afirmou.

Jean Paul propôs a realização de quatro debates, para tratar das especificidades do bioma nos estados do Rio Grande do Norte, Ceará, Paraíba, Pernambuco, João Pessoa, Bahia, Sergipe e Piauí. “Queremos discutir o projeto de lei e o bioma da caatinga com os estados envolvidos. Chegou a hora de fortalecer a preservação deste bioma”, frisou.

A caatinga é considerada o bioma mais diverso do planeta. Ocupa área de 844.453 quilômetros quadrados, o equivalente a 11% do território nacional, abrangendo os estados de Alagoas, Bahia, Ceará, Maranhão, Pernambuco, Paraíba, Rio Grande do Norte, Piauí, Sergipe e o norte de Minas Gerais. Estimam-se que mais de 27 milhões de pessoas vivem na região, a maioria em situação de carência.

O bioma abriga animais como a arara-azul-de-lear, o tatu-bola (mascote da copa do mundo), o macaco-prego-amarelo, o urubu-rei, a onça-parda, o cachorro-do-mato, o soldadinho-do-araripe e o azulão.

 

Foto: Vinícius Ehlers