Jean Paul apresenta projeto de painéis solares nos canais da transposição do Velho Chico

Parlamentar participou de audiência pública com o ministro Gustavo Canuto na Comissão de Desenvolvimento Regional do Senado. “Podemos reduzir mais de 70% do custo da operação da transposição”, lembrou

O senador Jean Paul Prates (PT-RN) defendeu, nesta quarta-feira, 27, que o Brasil discuta o modelo de gestão do Programa de Integração do Rio São Francisco. Ele entregou ao ministro do Desenvolvimento Regional, Gustavo Canuto, o estudo que trata da viabilidade da instalação de painéis solares fotovoltaicos nos canais da transposição do “Velho Chico”.  Canuto participou de audiência pública na Comissão de Desenvolvimento Regional do Senado e apresentou as diretrizes e os programas do ministério.

“Esta é uma ideia complementar sobre o uso de energia solar na área de bombeio e em outras demandas energéticas no Programa de Integração do São Francisco”, defendeu Jean Paul. “Podemos reduzir mais de 70% do custo da operação da transposição. Vale lembrar que, a maior parte do custo do PISF é com energia”.

O senador mostrou preocupação com o orçamento do Ministério do Desenvolvimento Regional. Segundo dados apresentados por Canuto, o orçamento da pasta caiu 52% entre 2014 e 2019. “A redução desses recursos impacta fortemente em programas como Minha Casa Minha Vida, PAC saneamento e outros”, enfatizou Jean Paul.

Em resposta à proposta de uso de painéis fotovoltaicos, Canuto declarou que o governo federal tem buscado trabalhar com modelos alternativos de energia, devido ao alto custo enérgico da operação da transposição.  “Precisamos chamar o privado com um olhar público. Precisamos tê-lo conosco, mas precisamos direcioná-lo para as políticas que o Brasil carece”, afirmou o ministro. “É dar com uma mão para a iniciativa privada e cobrar com a outra. Precisamos de contrapartida para financiar outros projetos”.

APODI

Após questionamentos de Jean Paul, o ministro garantiu que o governo fará um edital de estudos para efetivação das obras do trecho 4 da transposição do São Francisco, o ramal do Apodi. “O estado depende da transposição e desse ramal. Não temos rios próprios, portanto, toda nossa água é federal. Não podemos resolver sozinho nossos problemas hídricos de grande escala. Contamos com apoio do governo federal para esses pleitos”, reforçou o senador.

O Ramal do Apodi faz parte das obras complementares da transposição do São Francisco, no Rio Grande do Norte. Trata-se de uma extensão de 115 quilômetros, cujo projeto de execução está orçado em R$ 1,9 bilhão, e que distribuirá as águas que entram no estado pelo Eixo Norte aos 54 municípios das regiões do Médio e Alto Oeste, incluindo a segunda maior cidade do estado, Mossoró.

A obra da transposição vai garantir a segurança hídrica a 12 milhões de habitantes, em 390 municípios, nos estados de Pernambuco, Ceará, Paraíba e Rio Grande do Norte.

PONTA NEGRA

Jean Paul pediu atenção especial do Ministério do Desenvolvimento Regional nos problemas na orla da Praia de Ponta Negra, em Natal. Ele pediu a liberação de recursos para o trabalho de engorda da praia. A ação consiste na aplicação de um material na água para aumentar a faixa de areia do mar.

“Ponta Negra é nosso cartão postal e o maior atrativo turístico da capital”, defendeu o senador. Jean Paul reforçou o trabalho que tem sido feito pela população na fiscalização das barragens no Brasil e no Rio Grande do Norte.

 

Foto: Alessandro Dantas/PT no Senado